NOSSA HISTÓRIA 
Cinthia Aquino   &   Roberto Junior 


A Fotógrafa


Mergulhei no universo da fotografia em 2001, aos 17 anos, quando iniciei a graduação e depois pós-graduação em fotografia na Universidade Estácio de Sá.
Um mundo de cores, sombras e luzes se abriu para mim. Tudo ao meu redor se transformou em um frame de foto. Comecei a ver o mundo com outros olhos: o olhar de um fotógrafo.

Em 2007, quando me casei com Roberto Junior, tive, além do melhor companheiro, um novo parceiro de negócios. Logo, meu marido se envolveu nos eventos comigo e começou a estudar fotografia e cinema. Largou a profissão de gerente de TI e gerenciou os serviços de vídeo que eu terceirizava. Apaixonados pela profissão, e um pelo outro, estamos juntos registrando o amor dos casais!! Afinal, acreditamos que o amor existe!!

Já fotografei mais de 300 casamentos, além de ensaios e centenas de outros eventos como bodas, 15 anos, aniversários e empresariais. Minha vasta experiência em cobertura de casamentos proporciona aos casais segurança, e a garantia, de que cuidaremos do seu casamento como um evento único, com muito carinho e profissionalismo.


Reflexões da Fotógrafa:

"Tirar fotos ... é pôr numa mesma linha cabeça, olho e coração."
 Henri-Cartier Bresson - fotógrafo (1908 - 2004).


   Enquanto ainda estava estudando fotografia na Universidade, pensava muito na famosa fórmula de Bresson. É o olho bem treinado que analisa a cena e propõe o enquadramento certo. E o olhar precisa de uma cabeça pensante e criativa. Fotografar não é apenas clicar: é pensar o ângulo certo, o jogo de luz, os contrastes de cores, a densidade das formas. Mas nem o olhar, nem o pensar bastam se o fotógrafo não conseguir colocar em seu trabalho um terceiro elemento: o coração. E é esta paixão pela fotografia e por casamentos que me inspiram a fazer sempre um trabalho com muita dedicação.

         Essência da fotografia, o eterno jogo entre pensar, olhar e sentir é um desafio encantador. É preciso esses três elementos para a precisão do instante perfeito. E é esse instante, sempre fugidio, que persigo a cada click, a cada quadro, em todas as cenas do meu trabalho fotográfico.

         Bresson nunca esteve, afinal, tão atual!